Destinos > Ásia > Cingapura

Cingapura

Cingapura? Singapura? Singapore? As três grafias estão corretas (mas em idiomas diferentes) e falam do mesmo lugar: uma cidade-estado formada por 63 ilhas, localizada na península malaia. Um dos países mais modernos e ricos do mundo, com o maior número de milionários per capita, cheio de regras para regular a vida de seus moradores, povoado por imigrantes. Independente do Reino Unido e separada da Malásia, Cingapura já é um dos dez países mais ricos do planeta e sustenta um dos mais altos PIBs do mundo. Ao lado de Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan, é um dos tigres asiáticos e mostra isso em nada modestos empreendimentos, que incluem cassinos e cartões postais de peso. Casos da Cingapure Flyer (a maior roda gigante do mundo com 165 metros) e do Marina Bay, projetado por Moshe Safdie, israelense radicado no Canadá. O complexo tem hotel, restaurantes de chefs estrelados, centro de compras e piscina de 'borda infinita' no 55ºandar. Suas ruas são limpas e organizadas, o sistema de transporte ultra-eficiente, shopping centers estão espalhados a cada esquina e seus prédios não deixam nada a desejar aos de cidades como Nova York ou Tóquio. É quase impossível visitar Cingapura e não incluir no roteiro algum dos impactantes templos budistas e hindus erguidos em bairros como Chinatown e Little India. No primeiro, o templo budista Buddha Tooth Relic impressiona com sua construção de 5 andares e influências da arquitetura do período da dinastia Tang. Em Little India, bairro típico indiano, basta uma volta descompromissada pela Serangoon Road, onde o cheiro forte do incenso se mistura ao curry intenso dos pratos indianos, para o visitante ter bem diante dos olhos um pequeno retrato dos templos hindus encontrados na Índia. A população de chineses, malaios e indianos encontrou uma forma de convivência pacífica, ainda que por vezes as diferenças culturais sejam tão evidentes que a impressão é de que se trata de três países em um. Também não é raro encontrar ocidentais expatriados que vivem no país a trabalho. Tamanho sucesso é explicado por um governo que regulou o país, desde sua exclusão da Malásia, em 1965, com mão-de-ferro. Tudo no país é regulado e multas são aplicadas por atos aparentemente banais, como atravessar fora da faixa, jogar mascar chiclete ou comer jaca no metrô. Respeitando as regras, a chance é grande de ter uma experiência agradável. O país é uma meca das compras e todas as maiores grifes internacionais estão representadas. A região de Clarke Quay, de frente para o mar, concentra as melhores opções de restaurantes e vida noturna. Sem contar o Singapure zoo, que com seu conceito de eliminar as jaulas dos animais, o coloca entre um dos melhores do mundo.